"O tempo e espaço podem separar duas pessoas, mas nunca dois seres".-- Fábio Ibrahim El Khoury

Facebook

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Krishnamurti: O que te impede?

Poucas, boas e diretas perguntas do filósofo indiano Jiddu Krishnamurti (1895-1986), um mestre na arte do auto-questionamento, sobre a mudança íntima e pessoal. Neste vídeo ele pergunta claramente “por que você não muda?“, conectando as consequências dos conflitos de nossa realidade às limitações que nos auto-impusemos e continuamos livremente escolhendo, re-criando toda a limitada realidade. Ou não somos sérios, ele diz, ou definitivamente não nos importamos.

Segue o vídeo abaixo (4min22seg), legendado em português, extraído do documentário “J. Krishnamurti Life Story & Teaching” (YouTube):



Fonte

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

OS SETE ASPECTOS DO VEGETARIANISMO À LUZ DO OCULTISMO


1º ASPECTO - VONTADE, AUTODETERMINAÇÃO, LIBERDADE

Estas palavras, segundo o Ocultismo, expressam o principio mais elevado [ATMA] que constitui a "alma humana".

Conforme a Sabedoria Antiga, o homem é em essência uma centelha divina, e como parte do Uno, também se manifesta ciclicamente nos diversos planos ou níveis de consciência.

Podemos chamar de alma a sede de sua consciência, e dizer que ela se utiliza em cada etapa de sua manifestação daquilo que é conhecido geralmente por "personalidade".

Quando colocado desta maneira, observamos que os seres humanos são almas que possuem corpos (como se fossem instrumentos ou ferramentas de trabalho), ao invés da crença atualmente aceita em nossas culturas de que somos um corpo que possui uma alma. Como pode o que é mortal possuir algo imortal? Como é possível o limitado conter aquilo que é ilimitado? É deveras impossível: No entanto, fomos levados a pensar que somos realmente as personalidades (mortais) e que possuímos uma alma (imortal).

Convém agora distinguir a diferença existente entre duas palavras que geralmente são tomadas como sinônimas, ou seja, a "vontade" e o "desejo".

De acordo com o que foi exposto, a vontade é a expressão suprema da alma humana, manifestando-se no mundo como atividade. O desejo, entretanto, é uma característica intrínseca da personalidade, e pode assumir diversos tipos, como a fome, o repouso, o sexo, que em última instância, são simplesmente necessidades passageiras daquele instrumento que denominamos corpo físico. Existem, evidentemente, outros desejos que se manifestam nos níveis emocional (afeto) e intelectual (compreensão), mas obviamente um desejo originado em qualquer destes níveis colige uma certa representação nos outros dois.

Por exemplo, o desejo de alimentar-se (fome) encontra sua contraparte no plano das emoções através da preferência pessoal (uns gostam disto, outros daquilo), e no plano dos pensamentos, quando utilizamos a memória (sempre temos em mente um bom restaurante, etc. )

Para tornar-se vegetariano numa cultura como a nossa (ocidental), após ter sofrido um massacrante condicionamento para o consumo de bens materiais, e para apresentar comportamentos sociais preestabelecidos pelos meios de comunicação, das diversas "propagandas", o indivíduo deve ter dentro de si uma forte VONTADE DE NÃO COMER CARNE.

Ao nascermos, o nosso primeiro alimento é o leite materno. Algumas semanas mais tarde recebemos papas de frutas, mingaus e legumes. Após alguns meses passamos a receber alimentos que contém caldos de carne, e com o aparecimento dos dentes, passamos a comer pedaços de carne.

Nesse período alguns pais observam que curiosamente as crianças começam a ficar doentes, um pouco mais tensas, agitadas, e em alguns casos até, chegam a recusar a carne.

Mas a imposição dos pais é mais forte que a reação natural da criança, e assim, pouco a pouco, o organismo passa a adaptar-se ao novo tipo de alimento.

Com o crescimento, a adaptação é completa, não apenas no nível fisiológico, como também no nível ideológico ou mental.

Existem adultos que realmente acreditam que o ser humano não pode viver sem comer carne.

Todas estas "necessidades" são na realidade um hábito, tal como fumar ou ingerir muita bebida alcoólica.

Quando a pessoa apresenta uma dependência, tanto à nível fisiológico quanto psicológico, dizemos que ela está viciada.

Infelizmente, ocorre o mesmo com a alimentação, a todos aqueles que, tendo uma alimentação carnívora bem farta, resolvem tornar-se vegetarianos por modismo ou esporte, desistem em menos de uma semana.

Somente aqueles que apresentam uma vontade espiritual suficientemente intensa é que são capazes de vencer as "necessidades" fisiológicas e os preconceitos que nos foram inculcados desde o berço até a idade adulta.

Com essa VONTADE, desenvolve-se a AUTODETERMINAÇÃO de escolher o tipo de alimento que o indivíduo deve ingerir para formar o seu corpo físico, fornecendo-lhe, assim, LIBERDADE de escolha.


"A carne é o alimento de certos animais. Todavia, nem todos, pois os cavalos, os bois e os elefantes se alimentam de ervas. Só os que têm índole bravia e feroz, os tigres e os leões, etc. , podem saciar-se em sangue. Que horror é engordar um corpo com outro corpo, viver da morte dos seres vivos."
Pitágoras